SP Demográfico

  • Margareth Izumi Watanabe;
  • Bernadette Cunha Wadwogel;
  • Carlos Eugenio Carvalho Ferreira;
  • Rovena Maria de Negreiros Ferreira;
  • Osvaldo Guizzardi Filho.

Nota aos Colaboradores

Os artigos publicados pelo SP Demográfico devem ser relacionados a pesquisas da Fundação Seade. As colaborações podem ser tanto de integrantes da Fundação como de analistas externos. A publicação não remunera os autores por trabalhos publicados.

Normas Editorais

O artigo deverá ser digitado em Word (fonte TIMES NEW ROMAN, corpo 12), contendo no máximo 20 páginas, em espaço duplo, numeradas consecutivamente.

Na primeira página do original deverão ser indicados:

  1. Título do artigo (e subtítulo, se houver);
  2. Nome do(s) autor(es) com um minicurrículo (indicação de formação profissional, titulação, ocupação atual e, se quiser, e-mail);
  3. Resumo do artigo (máximo cinco linhas);
  4. Palavras-chave (três palavras);

Caso haja divisões no texto, recomenda-se no máximo três níveis de intertítulos, hierarquizados da seguinte forma (Atenção: não começar o artigo com intertítulo):

Não colar gráficos, tabelas, mapas, quadros e figuras no texto (apenas indicar onde poderão ser colocados). Eles deverão ser enviados no formato original (Excel, Word, Corel, Maptitude, Illustrator) separadamente do arquivo de texto para posterior edição nos padrões do boletim.

A série SP Demográfico, iniciada em 1998, procura veicular os principais indicadores demográficos do Estado de São Paulo, de suas regiões, municípios e distritos da capital, com ênfase na análise das projeções populacionais e das Estatísticas do Registro Civil, produzidas pela Fundação Seade.


BOLETIM EM PDF

Ano 17 – nº 01, Março de 2017 – A população regional paulista em perspectiva histórica: projeções demográficas até 2050

tema  População

Resumo:

As projeções da população paulista e de suas regiões, realizadas pela Fundação Seade, sinalizam para o futuro importantes mudanças no volume, no ritmo de crescimento e na composição etária. Os resultados basearam-se no método dos componentes demográficos, que analisa a inter-relação entre fecundidade, mortalidade e migração, simulando o mecanismo real de reprodução da população. Nos próximos anos, as tendências esperadas para os componentes demográficos indicam expressiva modificação no perfil populacional do Estado de São Paulo, cuja população em 2050 estará marcadamente adulta, em pleno processo de envelhecimento. Os resultados encontrados representam subsídio fundamental na orientação de políticas públicas e do planejamento regional.